Click on the slide!

Aniversário 352 Club

Clique e comente em nosso forum

No dia 1º de Março de 2015 rola o encontro em comemoração ao primeiro aniversário do 352 Club em Piuma!

Click on the slide!

Segunda Etapa do Km de Arrancada 2014

Clique curta as imagens!

Confira as fotos da Arrancada que rolou no Sambão do Povo no dia 17/05

Mais...
Click on the slide!

Primeira etapa do Km de Arrancada 2014

Clique e confira as fotos

Veja o que rolou no Km de Arrancada!

Mais...
Click on the slide!

Custom Cars ES

Clique aqui e curta as fotos!

Confira as fotos do maior evento de exposição automotiva do ES

Mais...
Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks

miniatura_i30_jbd.jpg

Proprietário: João (JoãoGTI)

ensaio_gol_polo_hatch_miniatura.jpg

Proprietários: HugoPassinato e GustavoSDP

golgsturbo.jpg

Proprietário: Marlus

civicvti.jpg

Proprietário: Hugo Sampaio

Comércio de Carros Usados no Brasil PDF Imprimir E-mail
Matérias - Assuntos Gerais

Comércio de Carros Usados

O comercio de carros usados no Brasil movimenta Muito Dinheiro. Há alguns anos se batalhava muito pra conseguir o tão sonhado carrinho para passeios com a família nos finais de semana, hoje a realização deste sonho se tornou fácil diante da grande oferta de financiamentos para carros sejam eles novos ou usados. Os mais abastados atualmente trocam de carro como trocam de camisa, tantas são as facilidades para que se faça esse tipo de negócio e agora ainda com a isenção do IPI para os carros novos, incentivo este dado pelo governo para que a indústria automobilística se equilibrasse frente aos efeitos da Crise Mundial, onde as aquisições de automóveis zero se intensificaram como nunca.

Leia mais...
 
Rachão 15/11 PDF Imprimir E-mail
Galeria - Arrancada


Rachão 15/11

 

Dia 15 de Novembro de 2009 rolou a ultima etapa do Rachão BKR. Veja as fotos.

 

Leia mais...
 
Fotos KM de arrancada 24/10/09 PDF Imprimir E-mail
Eventos - Arrancada

KM de arrancada

Confira as fotos da etapa do Km de arrancada do dia 24/10/2009.

Leia mais...
 
IDRX 2009 PDF Imprimir E-mail
Eventos - Corridas

Aconteceu no ultimo dia 11 de outubro o tão aguardado IDRX – Import Drag Race Experience, um evento onde reuniu os carros importados do Brasil todo e alguns convidados nacionais e o ES não podería ficar de fora dessa, levamos três VTi´s para representar nosso estado mais um civic LXL como carro de apoio, visto que fomos com os carros rodando até a cidade de Piracicaba, interior de SP, aproximadamente 1.200 km de Vitória.

Leia mais...
 
Carroesporte no Museu Ferrari PDF Imprimir E-mail
Matérias - Test Drive

Ferrari

 

O carroesporte leva você ao Museu Ferrari, em Maranello na Italia.

Nosso correspondente e usuário do fórum, "Dudu Aranha" visitou a cidadade de Maranello e pode conferir de perto as máquinas que fizeram história e até hoje aceleram nos sonhos dos apaixonados por velocidade.

O Eduardo também teve a oportunidade de dirigir uma máquina dos sonhos, uma Ferrari F430 pela empresa "You Drive Maranello"

Confira as fotos.

Leia mais...
 
XVII Encontro Capixaba de Veículos Antigos PDF Imprimir E-mail
Galeria - Antigos

Veja as fotos do XVII Encontro Capixaba de Veículos Antigos, realizado na Praça do Papa, na Enseada do Suá, em Vitória. O evento foi realizado pelo Veteran Car Club de Vitória e ocorreu nos dias 10, 11 e 12 de outubro e contou com a presença de vários exemplares que certamente marcaram época, trazendo vários visitantes, principalmente famílias.

 

Leia mais...
 
4ª Etapa do Campeonato Capixaba de Kart PDF Imprimir E-mail
Galeria - Corridas
Fotos da 4ª Etapa do Campeonato Capixaba de Kart realizada nos dias 20 e 21 de junho.

 
1ª Vitória Motor Show PDF Imprimir E-mail
Galeria - Tuning e Som

1º Vitoria Motor ShowNo dia 6 de junho foi realizado o 1º Vitória Motor Show, em anexo a 1ª Etapa do Campeonato Capixaba de Arrancada 2009, no Sambão do Povo.
Vários clubes compareceram ao evento e mostraram suas máquinas.
Agradecimentos especiais aos clubes pela presença:

  • Clube dos Conversíveis;
  • HondaClub-ES;
  • Volksclub-ES;
  • JeepClube;
  • GM MotorClub;
  • Clube dos GT´s;
  • Clube Sede do Fusca;
  • CeltaClube.

Além de todos que levaram seus lindos exemplares para expor e o público em geral por prestigiar o VMS e o KM.
Para todos vocês, o nosso MUITO OBRIGADO.

E não percam: Assistam domingo que vem, dia 14 às 8h30 no canal 10 (BAND) o programa Fórmula Total com reportagem do evento com o 14Bis.
Foram filmados vários carros do Vitória Motor Show, demos e entrevista para o progama, onde divulgamos o Encontro Interclubes e os carros dos participantes, além da corbetura total do KM!

Confira as fotos:


 

 
2º Rachão BKR PDF Imprimir E-mail
Galeria - Arrancada
2o Rachao BKR
No dia 31 de maio foi realizado 2º Rachão BKR, no Mestre Álvaro. A galera compareceu e a diversão foi garantido. Confira as fotos.
Agradecimentos ao Samuel pelas fotos!
Leia mais...
 
Arrancada 2010 PDF Imprimir E-mail


Informações Gerais

Arrancada 2009O evento é organizado pelo Clube Daytona e é realizado sempre no Sambão do Povo. Para participar, o piloto necessida de uma Carteira de Piloto, que pode ser expedida junto a Federação de Automobilismo do Estado do Espírito Santo - FAEES. A Carteira de Piloto ou Cédula Desportiva é o documento de identidade do piloto junto as federações e a CBA, portanto ela é válida em todo o território nacional. O valor cobrado do pela FAEES para a expedição da carteira está entre os mais baixos do Brasil, R$ 290,00. A validade do documento é de um ano contando sempre a partir de janeiro e não pela data de emissão. Cada categoria possui uma carteira própria, portanto a carteira de arrancada não serve para pista ou vice e versa.
O portador da Carteira de Piloto também pode desfrutar de vantagens que muitos desconhecem, por exemplo a entrada nos boxes de qualquer evento automobilístico oficial no Brasil (exceto F1), como por exemplo Formula Truck, Stock Car, Formula Renault, Marcas e Pilotos, etc. Mesmo que a sua carteira seja de arrancada, você poderá curtir os boxes de todas essas categorias.

Datas e Horários

Estamos aguardando a montagem do calendário de provas para 2010

 




Clique aqui e tire suas dúvidas em nosso Fórum!

 


Valores

Categoria Valor
Aspirado R$ 150,00
Turbo R$ 200,00
Força Livre R$ 250,00




Regulamento

Clique na categoria desejada:
  1. Turbo Tração Dianteira A (TTD-A)
  2. Turbo Tração Dianteira B (TTD-B)
  3. Turbo Tração Traseira (TTT)
  4. Street Tração Dianteira (STD)
  5. Street Tração Traseira (STT)
  6. Força Livre Tração Dianteira (FLTD)
  7. Força Livre Tração Traseira (FLTT)
  8. Stock (STK)
  9. Importado (IMP)
  10. Standard (ST)
  11. Mil Turbo (MT)

 


1 - Turbo Tração Dianteira A (TTD-A)

Subir

1.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas.
Veículos de tração dianteira equipados com motores superalimentados por meio de turbo compressor, blower ou supercharger.
A denominação desta categoria será Turbo Tração Dianteira - A
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso de letras que identificam a categoria (TTD-A), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sanguíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

1.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de 4 (quatro) ou 5 (cinco) cilindros.
Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares.

1.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria é de:
• 910 kg (novecentos e dez quilos) para veículos equipados com cabeçotes 8 (oito) válvulas;
• 1030 kg (um mil e trinta quilos) para veículos equipados com cabeçote 16 (dezesseis) válvulas;
• 1070 kg (um mil e setenta quilos) para veículos equipados com cabeçotes 20 (vinte) válvulas.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Não é permitido qualquer tipo de alívio de peso através da retirada de suas partes e itens originais de fábrica.
Permitida a retirada do macaco, estepe, chave de roda e triângulo de segurança.
No gol furgão é permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e a tampa de madeira do assoalho traseiro.
Qualquer tipo de lastro que se faça necessário para atingir os pesos mínimos só será permitido quando estes estiverem solidamente fixados ao veículo, e ainda devem passar por vistoria pela Comissão Técnica.

1.4 - MOTOR

O motor deverá manter suas características originais de fábrica com relação ao ângulo e posição de montagem do conjunto: motor, caixa de câmbio e diferencial.
O material de construção dos suportes do motor é livre, porém os pontos de fixação devem permanecer originais.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não pode ser alterada.
Liberado o trabalho do bloco original da marca do veículo, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Liberado o uso de blocos de veículos em produção, fora de linha ou comercializados diretamente pelo fabricante do veículo.
Proibido o uso de blocos de modelos de veículos provenientes de importação independente.

1.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos de velas, limitador de giro, cabos de alta tensão e bobinas são livres.

1.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d´água ou das mangueiras que os ligam.
Proibida a mudança do local de fixação dos itens mencionados.
Permitido o uso de intercooler, icecooler bem como qualquer outro sistema de resfriamento da mistura.

1.7 - CABEÇOTE

Deve ser obrigatoriamente fornecido pelo fabricante do veículo, sendo permitido o seu trabalho.
Permitida a substituição do comando de válvulas original.
O uso de cabeçotes de 16 (dezesseis) válvulas somente é permitido conforme item 1.3.
O uso de cabeçotes de 20 (vinte) válvulas somente é permitido conforme item 1.3.
Também é permitido o uso de cabeçote de fluxo cruzado em veículos equipados com 8 (oito) válvulas. (Modelo Golf 2.0).

1.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão é livre.
O número de carburadores é livre.
Permitido o uso de carburadores / injeção nacionais ou importados, sendo permitido ainda, modificar os elementos do carburador ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Autorizado o uso de bicos suplementares ou auxiliares.
Proibido o uso de injeção mecânica de combustível.
Proibido o uso de óxido nitroso.
Permitido somente o uso de combustível líquido, com ou sem o uso de aditivos.

1.9 - ESCAPAMENTO

Livre, sendo proibida saída através da lataria do veiculo.

1.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
Devem ser mantidos os pontos de fixação originais do veículo.
A distância ente os eixos de rolagem deve permanecer inalterada (medidas conforme indica o fabricante), ficando vetadas quaisquer alterações que avancem ou recuem ambos os eixos ou para frente ou para trás. A tolerância máxima permitida será de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros) da distância entre eixos indicada pelo fabricante. Essa tolerância será admitida somente com relação ao eixo dianteiro, ficando proibida qualquer alteração para movimentação do eixo traseiro.
Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação sejam conservados.
Fica liberado o trabalho dos batentes superiores dos amortecedores dianteiros e/ou traseiros, podendo os mesmos ser substituídos por alumínio ou aço.
Ficam proibidos recortes, retirada ou acréscimo de material ou quaisquer soldas, que não as originais, nas torres e pontos de fixação superior ou inferior da suspensão.
Proibido o uso de rodas (wheelie bars) para apoiar o veículo.
Liberado o uso de “camber plate”.
Demais alterações são livres.

1.11 - TRANSMISSÃO

O trabalho nas engrenagens de relação é livre, mas todas as engrenagens deverão estar presentes na caixa de câmbio e em perfeito funcionamento.
Permitido modificar o material de construção bem como o local de fixação dos suportes da caixa.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou qualquer modificação que transforme o diferencial em autoblocante.
Proibido o uso de caixa de câmbio automática, semi-automática ou seqüencial.

1.12 - EMBREAGEM

Livre.

1.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 13” e máximo 17”.
Os pneus radiais deverão possuir largura máxima de 225 mm e mínima de 185 mm.
Liberado o uso de pneus “slick” na medida máxima 24,5”X 8” X R, descrita na lateral do mesmo.
Permitida a utilização de pneus importados de qualquer tipo, respeitadas as medidas máximas acima citadas.
Permitido o uso, nas rodas traseiras, de pneus do tipo “Front Runners”, com especificação para uso em competições, estando isentos da medida mínima.
Os pneus devem estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2 mm (dois milímetros) de sulco na superfície de contato com o solo, medido a partir do TWI.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus recapados, remoldados ou similares.
Os pneus não podem exceder o limite externo dos pára-lamas.

1.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio deve ser original, e todos os componentes devem estar presentes no veículo.
Fica autorizada a retirada do dispositivo antiblocagem.
Fica ainda autorizada a utilização de freio a disco na traseira nos veículos que não o possuem originalmente.

1.15 - CARROCERIA E CHASSI

Proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo.
Permitido o levantamento do capô dianteiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
São autorizados apenas acessórios que não alterem de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Fica liberada a construção de uma bolha no capô dianteiro, com a finalidade de melhor acomodar os componentes do motor.
Permitido para os veículos Gol, Saveiro, Santana e Parati, anterior aos modelos da geração II, o trabalho da borda do pára-lama dianteiro, até a altura do vinco central, mantendo as características originais, sem acréscimo ou retirada de material.

1.16 - HABITÁCULO

Proibida a retirada de qualquer parte interna do veículo original com exceção dos itens mencionados abaixo.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes.
Permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho do gol furgão.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Fica permitida a retirada do sistema de ar quente e frio.
Proibido o uso de volante de madeira.

1.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria são livres, bem como seus cabos.
A bateria deve estar solidamente fixada no seu local original.
Proibida a retirada do alternador e do motor de arranque.

1.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

É livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2 (dois) litros.

1.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre,não podendo passar pelo interior do veiculo.
Bomba, dosador e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos.
O tanque de combustível deve ser original e utilizado como única fonte de combustível do veículo.
Fica permitido trabalho no tanque original, inclusive o “catch tank”.
Fica definido como “catch tank”, qualquer reservatório adicional, subdivisão ou sistema de contenção feita no tanque.

1.20 - SEGURANÇA

É obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição homologado, e o uso de cinto de segurança homologado de no mínimo 4 pontos de fixação.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição e capacete homologados.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
E proibido o uso de metanol.


2 - Turbo Tração Dianteira B (TTD-B)

Subir

2.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up de 2, 3, 4 ou 5 portas.
Veículos de tração dianteira equipados com motores superalimentados por meio de turbo compressor, blower ou supercharger.

2.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de 4 (quatro) ou 5 (cinco) cilindros.
Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais.
A denominação desta categoria será Turbo Tração Dianteira B.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso das letras que identificam a categoria (TTD- B), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sangüíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

2.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria é de 910 kg (novecentos e dez quilos), sendo que o peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento de bordo.
Não é permitido qualquer tipo de alívio de peso através da retirada de suas partes e itens originais de fábrica.
Permitida a retirada do macaco, estepe, chave de rodas e triângulo de segurança.
No gol furgão é permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho.
Qualquer tipo de lastro que se faça necessário para atingir o peso mínimo só será permitido quando estes estiverem solidamente fixados ao veículo, e ainda devem passar por vistoria pela Comissão Técnica.

2.4 - MOTOR

O motor deverá manter suas características originais de fábrica com relação ao ângulo e posição de montagem do conjunto: Motor, caixa de câmbio e diferencial.
O material de construção dos suportes do motor é livre, porém os pontos de fixação devem permanecer originais.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não pode ser alterada.
Liberado o trabalho do bloco original da marca do veículo, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Liberado o uso dos blocos de veículos em produção, fora de linha ou comercializados diretamente pelo fabricante do veículo.
Proibido o uso de blocos de modelos de veículos provenientes de importação independente.

2.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos de velas, limitador de giro e cabos de alta tensão são livres.
Liberado o uso de caixa de ignição (módulo) do tipo “MSD“, FirePro, SparkPro, Fire4S ou similar.
Liberado o uso de ignição dupla, quando este sistema não for original do modelo do veículo.

2.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d’água ou das mangueiras que os ligam.
Proibida a mudança do local de fixação dos itens mencionados acima.
Permitido o uso de intercooler.

2.7 - CABEÇOTE

O cabeçote deve ser obrigatoriamente nacional e original fornecido pelo fabricante do veículo, sendo permitido o seu trabalho.
Permitida a substituição do comando de válvulas original.
Proibido o uso de cabeçotes de 16 (dezesseis) ou mais válvulas.
Permitido o uso de cabeçote de fluxo cruzado.

2.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão de combustível deve ser mantido original, fornecido pelo fabricante do veículo, podendo ser trabalhado.
Permitido o uso de somente 1 (um) único corpo de borboleta.
O aumento do número original de carburadores não é permitido.
Permitido o uso de carburadores nacionais que equipavam originalmente carros nacionais, sendo permitido ainda, modificar os elementos desse carburador ou dos dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Proibido o uso de bicos suplementares ou auxiliares.
O uso de injeção eletrônica é permitido desde que seja mantido o número original de bicos injetores.
Proibido o uso de injeção mecânica de combustível.
Fica proibido o uso de óxido nitroso.
Permitido somente o uso de combustível líquido, com ou sem o uso de aditivos.

2.9 - ESCAPAMENTO

Livre seu dimensionamento, sendo proibida a saída do escapamento através da lataria do veículo.
Ex.: Escapamento saindo pelo pára-lama do veículo.

2.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
Devem ser mantidos os pontos de fixação originais do veículo.
A distância ente os eixos de rolagem deve permanecer inalterada (medidas conforme indica o fabricante), ficando vetadas quaisquer alterações que avancem ou recuem ambos os eixos ou para frente ou para trás. A tolerância máxima permitida será de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros) da distância entre eixos indicada pelo fabricante. Essa tolerância será admitida somente com relação ao eixo dianteiro, ficando proibida qualquer alteração para movimentação do eixo traseiro.
Proibido o uso de rodas (wheelie bars) para apoiar o veículo.
Liberado o uso de “camber plate”
Demais alterações são livres.

2.11 - TRANSMISSÃO

O trabalho nas engrenagens e relação é livre, mas todas as engrenagens deverão estar presentes na caixa de câmbio e em perfeito funcionamento.
Permitido modificar o material de construção, bem como o local de fixação, dos suportes da caixa.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou qualquer modificação que o transforme em autoblocante.
Proibido o uso de caixa automática, semi-automática ou seqüencial, exceto quando for original de fabrica.
Proibido o uso de trambulador do tipo “v-gate”/ “in line”.
Liberado o uso de trambulador do tipo “h-pattern”.

2.12 - EMBREAGEM

Livre.

2.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 14” e máximo 17”.
Os pneus deverão obrigatoriamente possuir classificação DOT com medidas de largura máxima de 215 mm e mínima de 185 mm.
Os tamanhos dos aros utilizados no eixo dianteiro devem ser os mesmos utilizados no eixo traseiro.
Os pneus devem ser nacionais, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2 mm (dois milímetros) de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI.
Permitida a utilização de pneus importados quando estes estiverem montados nas rodas fora do eixo de tração.
Permitido o uso, nas rodas traseiras, de pneus do tipo “Front Runners”, com especificação para uso em competições, estando isentos da medida mínima.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
É proibido o uso de pneus “slick” de qualquer tipo, bem como pneus refrisados, recapados, remoldados ou similares.
Os pneus não podem exceder o limite externo dos pára-lamas.

2.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio deve ser original, e todos os seus componentes devem estar presentes no veículo.
Fica autorizada a retirada do dispositivo antiblocagem.
Fica ainda autorizada a utilização de freio a disco na traseira nos veículos que não o possuem originalmente.

2.15 - CARROCERIA E CHASSI

Proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo.
Permitido o levantamento do capô dianteiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
São autorizados apenas acessórios que não alterem de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, porém os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Permitido o trabalho da borda do pára-lama dianteiro, até a altura do vinco central, mantendo as características originais, sem acréscimo ou retirada de material.

2.16 - HABITÁCULO

Proibida a retirada de qualquer parte interna do veículo original com exceção dos itens mencionados.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, porém os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes.
Permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho do gol furgão.
Fica permitida a retirada do sistema de ar quente e frio.
Proibido o uso de volante de madeira.

2.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria é livre, bem como seus cabos.
A bateria deve estar solidamente fixada no seu local original.
Proibida a retirada do alternador e do motor de arranque.

2.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

É livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2 (dois) litros.

2.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre, porém não poderá passar pela parte interna do habitáculo do veículo.
Bomba e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos.
Permitido o uso de somente 1 (um) dosador.
Permitido o uso de 1 (uma) bomba de combustível de qualquer marca, modelo e procedência ou de até 3 (três) bombas similares à bomba do gol GTI.
A(s) bomba(s) de combustível deverá(ão) estar localizada(s) no máximo no meio do veículo a contar da traseira do mesmo.
As dimensões da tubulação de combustível do tanque até a(s) bomba(s) devem ser de no máximo meia polegada, ou seja, 12,7 mm (doze milímetros e sete centésimos) de diâmetro interno.
As dimensões das tubulações de combustível da bomba até o carburador devem ser de no máximo 8,0 mm (oito milímetros) de diâmetro interno.
O tanque de combustível deve ser original e utilizado como única fonte de combustível do veículo e deverá possuir sua fixação original sendo proibido o seu rebaixamento.
Liberado o trabalho no pescador do tanque de combustível.
Liberada a mudança do local do pescador de combustível.
Liberado o uso de “Catch Tank”.
Fica definido como “Catch Tank”, qualquer reservatório adicional, subdivisão ou sistema de contenção feita no tanque.

2.20 - SEGURANÇA

Aconselhado o uso de macacão e sapatilhas, podendo substituir o macacão por blusa de manga e calça comprida e a sapatilha por tênis amarrado.
O cinto de segurança deve ter no mínimo 3 pontos de fixação, devendo ser retrátil.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
É proibido o uso de bancos sem encosto de cabeça.
É permitida a troca dos bancos por bancos de competição.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
É EXPRESSAMENTE PROIBIDO o uso de metanol.


3 - Turbo Tração Traseira (TTT)

Subir

3.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas.
Veículos de tração traseira equipados com motores superalimentados por meio de turbo compressor, blower ou supercharger.

3.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de 4 (quatro) cilindros, 5 (cinco) cilindros, 6 (seis) cilindros ou 8 (oito) cilindros.
Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares.
A denominação desta categoria será Turbo Tração Traseira.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso de letras que identificam a categoria (TTT), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sanguíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

3.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria é de:
• 820 kg (oitocentos e vinte quilos) para veículos 4 (quatro) cilindros refrigerados a ar;
• 900 kg (novecentos quilos) para veículos 4 (quatro) cilindros refrigerados a água;
. 1.230 kg (um mil duzentos e trinta quilos) para veículos 5 (cinco) ou 6 (seis) cilindros;
• 1.300 kg (um mil e trezentos quilos) para veículos 8 (oito) cilindros.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Não é permitido qualquer tipo de alívio de peso através da retirada de partes e itens originais de fábrica.
Permitida a retirada do macaco, estepe, chave de roda e triângulo de segurança.

3.4 - MOTOR

O motor deverá manter suas características originais de fábrica com relação ao ângulo e posição de montagem do conjunto: motor, caixa de câmbio e diferencial.
O material de construção dos suportes do motor é livre, porém os pontos de fixação devem permanecer originais.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não pode ser alterada.
Fica livre a substituição do bloco original, por outro de reposição do mesmo modelo, devendo este ser nacional e seguir todas as especificações técnicas. Fica livre o trabalho e o aumento do volume do mesmo.
Obs. : A peça de reposição deverá ter uma produção mínima de 10.000 unidades ano.

3.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos de velas, limitador de giro, cabos de alta tensão e bobinas são livres.

3.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d´água ou das mangueiras que os ligam.
Proibida a mudança do local de fixação dos itens mencionados.

3.7 - CABEÇOTE

O cabeçote deve ser original, podendo este ser substituído por outro de reposição, devendo este ser nacional e seguir todas as especificações. Fica livre o seu trabalho.
Obs.: A peça de reposição deverá ter uma produção mínima de 10.000 unidades ano.
Permitida a substituição do comando de válvulas original.

3.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão é livre.
Permitido o uso de carburadores / injeção nacionais ou importados, sendo permitido ainda, modificar os elementos do carburador ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Autorizado o uso de bicos suplementares ou auxiliares.
Proibido o uso de injeção mecânica.
Fica proibido o uso de óxido nitroso.
Permitido somente o uso de combustível líquido, com ou sem o uso de aditivos.

3.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

3.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
Devem ser mantidos os pontos de fixação originais do veículo na suspensão dianteira, podendo ser alterados na suspensão traseira, respeitando-se a estrutura do veículo. A distância entre eixos deve ser mantida conforme a indicada pelo fabricante com uma tolerância de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros).
Fica liberado o trabalho nas longarinas traseiras, desde que as condições de segurança sejam mantidas. Estas alterações passarão por vistoria rígida e estarão sujeitas a aprovação dos Comissários Técnicos.
Proibido o uso de rodas (wheelie bar) para apoiar o veículo.

3.11 - TRANSMISSÃO

Livre, porém com carcaça de fabricação nacional.
O trabalho nas engrenagens e relação é livre, mas todas as engrenagens deverão estar presentes na caixa de câmbio e em perfeito funcionamento.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou qualquer modificação que transforme o diferencial em autoblocante.
Liberado uso de caixa de câmbio automática, desde que a mesma seja original de fabrica.
Não será permitido o uso de:
• Trans Brake ou semelhante.
• Caixa automática não original, semi-automática ou sequencial.
Os veículos dotados de eixo cardã deverão possuir obrigatoriamente uma travessa metálica de segurança, de no mínimo 3 mm (três milímetros) de espessura, que impeça o cardã tocar o solo em caso de quebra.

3.12 - EMBREAGEM

Livre.

3.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 14” e máximo de 18”.
Os pneus deverão obrigatoriamente possuir classificação DOT com medidas de largura máxima de 295 mm e mínima de 185 mm.
Liberado o uso de pneus do tipo “DRAG DOT RADIAL”, com as medidas acima citadas descritas na lateral do mesmo.
Os pneus não poderão ser do tipo diagonais.
Os tamanhos dos aros utilizados no eixo dianteiro devem ser os mesmos utilizados no eixo traseiro.
Os pneus podem ser nacionais ou importados, estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2 mm (dois milímetros) de sulco na superfície de contato com o solo, medido a partir do TWI.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus “slick” de qualquer tipo, bem como pneus recapados, remoldados ou similares.

3.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio deve ser original, e todos os componentes devem estar presentes no veículo.
Fica autorizada a retirada do dispositivo antiblocagem.
Fica ainda autorizada a utilização de freio a disco na traseira dos veículos que não o possuem originalmente.

3.15 - CARROCERIA E CHASSI

Proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco que descaracterize o modelo do veículo, ficando liberado o recorte ou trabalho da lateral traseira externa, até o limite máximo do inicio da caixa de rodas interna.
Fica liberada também a alteração da lateral traseira interna e do assoalho traseiro respeitando-se a estrutura do veículo.
Permitido o levantamento do capô dianteiro / traseiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
São autorizados apenas acessórios que não alterem de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Fica liberada a construção de uma bolha no capô dianteiro ou traseiro, com a finalidade de melhor acomodar os componentes do motor.

3.16 - HABITÁCULO

Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes.
Fica permitida a retirada do sistema de ar quente e frio.
Proibido o uso de volante de madeira.

3.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria é livre, bem como seus cabos.
A bateria deve estar solidamente fixada, sendo permitida a sua transferência para o porta-malas do veículo.
Proibida a retirada do alternador e do motor de arranque.

3.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

O sistema de lubrificação é livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2 (dois) litros.

3.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre, não sendo permitido passar pelo interior do veiculo.
Bomba e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos.
O tanque de combustível original deve estar presente, porém pode ser usado um tanque adicional, mas somente um deles pode ser usado como fonte de fornecimento de combustível.
Fica permitido trabalho no tanque original, inclusive o “catch tank”.
Fica definido como “catch tank”, qualquer reservatório adicional, subdivisão ou sistema de contenção feita no tanque original.

3.20 - SEGURANÇA

É obrigatória a substituição do banco do motorista por banco de competição homologado, e o uso de cinto de segurança homologado de no mínimo 4 pontos de fixação.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição e capacete homologados.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
É EXPRESSAMENTE PROIBIDO o uso de metanol.


4 - Street Tração Dianteira (STD)

Subir

4.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração dianteira equipados com motores naturalmente aspirados carburados e injetados.

4.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos, em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de no máximo 5 (cinco) cilindros carburados e injetados.
Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares.
A denominação desta categoria será Street Tração Dianteira.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso de letras que identificam a categoria (STD), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sanguíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

4.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria será o seguinte:
• 890 kg (oitocentos e noventa quilos) para veículos equipados com cabeçote de 8 (oito) válvulas.
• 970 kg (novecentos e setenta quilos) para veículos equipados com cabeçote de 16 (dezesseis) válvulas.
• 1070 kg (um mil e setenta quilos) para veículos equipados com cabeçote de 20 (vinte) válvulas.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Não é permitido qualquer tipo de alívio de peso através da retirada de partes e itens originais de fábrica.
Permitida a retirada do macaco, estepe, chave de roda e triângulo de segurança.
No gol furgão é permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho.
Qualquer tipo de lastro que se faça necessário para atingir os pesos mínimos só será permitido quando estes estiverem solidamente fixados ao veículo, e ainda devem passar por vistoria pela Comissão Técnica.

4.4 - MOTOR

O motor deverá manter suas características originais de fábrica com relação ao ângulo e posição de montagem do conjunto: motor, caixa de câmbio e diferencial.
O material de construção dos suportes do motor é livre, porém os pontos de fixação devem permanecer originais.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não pode ser alterada.
Liberado o trabalho do bloco original da marca do veículo, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Liberado o uso dos blocos de veículos em produção, fora de linha ou comercializados diretamente pelo fabricante do veículo.
Proibido o uso de blocos de modelos de veículos provenientes de importação independente.

4.5- SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipo de velas, limitador de giro e cabos de alta tensão são livres.
O número de velas não poderá ser alterado.
O número de bobinas é livre, bem como seu tipo e marca.
A caixa de ignição (módulo) é livre no seu tipo e marca.

4.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d’água ou das mangueiras que os ligam.
Proibida a mudança do local de fixação dos itens mencionados acima.

4.7 - CABEÇOTE

O cabeçote deve ser obrigatoriamente o original fornecido pelo fabricante do veículo, sendo permitido o seu trabalho.
Permitida a substituição do comando de válvulas original.
O uso de cabeçotes de 16 (dezesseis) válvulas é permitido desde que este seja fornecido pelo mesmo fabricante do veículo, de acordo com o item 4.3.
O uso de cabeçotes de 20 (vinte) válvulas é permitido desde que este seja fornecido pelo mesmo fabricante do veículo, de acordo com o item 4.3.
Liberado o uso de cabeçotes com fluxo cruzado.

4.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão de combustível é livre, podendo ser trabalhado ou substituído.
O aumento do numero original de carburadores e permitido.
Permitido o uso de carburadores de qualquer tipo ou marca, sendo permitido ainda, modificar os elementos do carburador ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Liberado o uso de injeção eletrônica, porem devera ser mantido o numero original de bicos injetores, ou seja, 1 (um) bico injetor por cilindro.
Proibido o uso de injeção mecânica de combustível.
Proibido o uso de qualquer tipo de dispositivo de superalimentação (oxido nitroso, turbo compressor,  blower, superchargers e outros mais que possam surgir).
Permitido somente o uso de combustível liquido, com ou sem o uso de aditivos.

4.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

4.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
A distância entre os eixos de rolagem deve permanecer inalterada (medidas conforme indica o fabricante), ficando vetadas quaisquer alterações que avancem ou recuem ambos os eixos ou para frente ou para trás. A tolerância máxima permitida será de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros) da distância entre eixos indicada pelo fabricante. Essa tolerância será admitida somente com relação ao eixo dianteiro, ficando proibida qualquer alteração para movimentação do eixo traseiro.
Permitido alterar a altura dos amortecedores e a colocação de calços.
Permitido o uso de suspensão regulável (rosca).
Fica liberado o material das buchas, desde que não se altere o ponto de sua fixação.
Todos os componentes da suspensão devem estar presentes nos seus lugares originais.
O comprimento de molas é livre, assim como o número de espiras e diâmetro do fio.
Fica permitido o uso de barras anti-afastamento, porém as mesmas devem ser fixadas nos pontos originais de suspensão.
Permitido o uso de barras de travamento fixadas entre as torres da suspensão dianteira e junto ao agregado dianteiro.
Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação sejam conservados.
Fica liberado o retrabalho dos batentes superiores dos amortecedores dianteiros e/ou traseiros, podendo os mesmos serem substituídos por alumínio ou aço.
Ficam proibidos recortes, retirada ou acréscimo de material ou quaisquer soldas, que não as originais, nas torres e pontos de fixação superior ou inferior da suspensão.
Proibido o uso de “camber plate”.
As formas de assentamento de molas para suspensão “McPherson” são livres.
Demais alterações não são permitidas.

4.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio e o diferencial devem ser nacionais, podendo ser trabalhados, porém de acionamento manual, ficando proibido o uso de caixa semi - automática, automática ou seqüencial, exceto quando a automática for original de fabrica.
Obrigatório o uso das engrenagens de marcha à ré e esta deve estar funcionando normalmente, devendo ainda ser acionada através da alavanca de engate das marchas.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou similares.

4.12 - EMBREAGEM

Livre.

4.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 13“ e máximo 17”.
Os pneus deverão obrigatoriamente possuir classificação DOT com medidas de largura máxima de 215 mm e mínima de 185 mm.
O tamanho dos aros utilizados no eixo dianteiro deve ser o mesmo utilizado no eixo traseiro.
Os pneus não podem exceder o limite externo dos pára-lamas.
Os pneus podem ser nacionais ou importados, estar em bom estado de conservação com no mínimo 2 mm (dois milímetros) de sulco na superfície de contato com o solo, medidos sobre o TWI.
Os pneus deverão ser radiais, ficando proibido o uso de especificações do tipo MT, MH, ET-DRAG, HOSSIER, HANKOOK, ADVAN e outros mais tidos como pneus especiais.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus “slick” de qualquer tipo, bem como pneus recapados, remoldados ou similares.

4.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio deve ser original, no entanto as canalizações podem ser substituídas por outras de melhor performance.
Todos os componentes devem estar presentes no veículo.
Fica autorizada a retirada do dispositivo antiblocagem.
Permitido retirar somente o hidrovácuo.
Fica ainda autorizada a utilização de freio a disco na traseira nos veículos que não o possuem originalmente.

4.15 - CARROCERIA E CHASSI

É proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo.
São autorizados apenas acessórios que não alterem ou favoreçam de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Permitido o levantamento do capô dianteiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Permitido o trabalho da borda do pára-lama dianteiro, até a altura do vinco central, mantendo as características originais, sem acréscimo ou retirada de material.

4.16 - HABITÁCULO

Proibida a retirada de qualquer parte interna original do veículo com exceção dos itens permitidos.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes. Permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho do gol furgão.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Proibido o uso de volante de madeira.

4.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria são livres, bem como seus cabos, devendo estar solidamente fixada em seu local original.
A localização do sistema deve ser original, podendo apenas ser substituído o alternador por um de maior potência, mas nunca desligado.

4.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

O sistema de lubrificação é livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2 (dois) litros.(captador de óleo)

4.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

É proibida a passagem do percurso da linha de combustível pelo interior do veículo.
Permitido o uso de somente 1 (um) dosador.
Permitido o uso de até 3 (três) bombas de combustível similares à bomba de gol GTI.
Proibido o uso de bombas de combustível importadas.
É permitido alterar a pressão de sobre-alimentação, independente do sistema ser mecânico ou elétrico.
Bomba e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos e não podem estar localizados no interior do habitáculo.
O tanque de combustível deve ser original e utilizado como única fonte de alimentação do veículo.
Permitido o uso de “catch tank”.
Fica definido como “catch tank”, qualquer reservatório adicional, subdivisão ou sistema de contenção feita no tanque.

4.20 - SEGURANÇA

Aconselhado o uso de macacão e sapatilhas, podendo substituir o macacão por blusa de manga e calça comprida e a sapatilha por tênis amarrado.
O cinto de segurança deve ter no mínimo 3 pontos de fixação, devendo ser retrátil.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
É proibido o uso de bancos sem encosto de cabeça.
É permitida a troca dos bancos por bancos de competição.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
É EXPRESSAMENTE PROIBIDO o uso de metanol.


5 - Street Tração Traseira (STT)

Subir

 

5.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração traseira, equipados com motores naturalmente aspirados carburados e injetados.

5.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de 4 (quatro), 6 (seis) ou 8 (oito) cilindros.
Permitido o uso de veículos de 02 (dois) ou mais lugares.
A denominação desta categoria será Street Tração Traseira.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso das letras que identificam a categoria (STT), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sanguíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

5.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria será a seguinte:
• 820 kg (oitocentos e vinte quilos) para veículos equipados com motor 4 (quatro) cilindros.
• 1230 kg (um mil duzentos e trinta quilos) para veículos equipados com motor 6 (seis) cilindros.
• 1300 kg (um mil e trezentos quilos) para veículos equipados com motor 8 (oito) cilindros.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Não é permitido qualquer tipo de alívio de peso através da retirada de partes e itens originais de fábrica.
Permitida a retirada do macaco, estepe, chave de roda e triângulo de segurança.
Qualquer tipo de lastro que se faça necessário para atingir os pesos mínimos só será permitido quando estes estiverem solidamente fixados ao veículo, e ainda devem passar por vistoria pela Comissão Técnica.

5.4 - MOTOR

O motor deverá manter suas características originais de fábrica com relação ao ângulo e posição de montagem do conjunto: Motor, caixa de câmbio e diferencial, bem como seus suportes.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não pode ser alterada.
Fica livre o trabalho do bloco original, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Fica livre a troca do bloco original, por outro de reposição da mesma marca e modelo, devendo este, ser nacional e seguir as especificações.
Para veículos marca Chevrolet Opala fica liberado o bloco de motor 292 usado nos caminhões A-60 e A-70 da mesma marca.
Liberado, para veículos refrigerados a ar, o uso de blocos de motor da marca “Auto Línea”, dentro da configuração original, podendo ser trabalhado.
Não é obrigatório o uso do virabrequim original.
Fica liberado o uso de virabrequim de curso.

5.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos de velas, limitador de giro e cabos de alta tensão são livres.
O número de velas não poderá ser alterado.
O número de bobinas é livre, bem como seu tipo e marca.
A caixa de ignição (módulo) é livre no seu tipo e marca.

5.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d´água ou das mangueiras que os ligam.
Proibida a mudança do local de fixação dos itens mencionados acima.

5.7 - CABEÇOTE

Deve ser original e nacional, podendo ser substituído por outro de reposição, devendo este, ser nacional e seguir as especificações.
Livre o seu trabalho.
Permitida a substituição do comando de válvulas original.

5.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão de combustível é livre, podendo ser trabalhado.
O aumento do numero original de carburadores e permitido,porem sem acréscimo de bicos injetores.
Permitido o uso de carburadores de qualquer tipo ou marca, sendo permitido ainda,modificar os elementos do carburador ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Liberado o uso de injeção eletrônica, porém deverá ser mantido o número original de bicos injetores, ou seja, 1 (um) bico injetor por cilindro,sem uso de suplementar.
Proibido o uso de injeção mecânica de combustível.
Proibido o uso de qualquer tipo de dispositivo de superalimentação (óxido nitroso, turbo compressor, blower, superchargers e outros mais que possam surgir).
Permitido somente o uso de combustível líquido, com ou sem o uso de aditivos.

5.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

5.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
Permitido alterar a altura dos amortecedores e a colocação de calços.
Fica liberado o material das buchas, desde que não se altere sua fixação.
Todos os componentes da suspensão devem estar presentes nos seus lugares originais.
O comprimento de molas é livre, assim como o número de espiras e diâmetro do fio.
O tipo de suspensão e os pontos de fixação devem permanecer originais.
Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação sejam conservados.
O uso de barras antiafastamento ou barras de tração é permitido.
Demais alterações não são permitidas.

5.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio e o diferencial devem ser nacionais, sendo permitido o trabalho da relação original, porém de acionamento manual, ficando proibido o uso de caixa semi-automática, automática ou sequencial, exceto quando a caixa de cambio automática for original de fábrica (conforme indica o fabricante).
Obrigatório o uso das engrenagens de marcha à ré e esta deve estar funcionando normalmente, devendo ainda poder ser acionada através da alavanca de engate das marchas.
Proibido o uso de trambulador / alavanca do tipo “in line” / “v-gate”.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou similares.
Os veículos dotados de eixo cardã deverão possuir obrigatoriamente uma travessa metálica de segurança com no mínimo 3 mm (três milímetros) de espessura, para que impeça o cardã de tocar o solo em caso de quebra.

5.12 - EMBREAGEM

Livre.

5.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 13“ e máximo 17”.
Os pneus deverão obrigatoriamente possuir classificação DOT com medidas de largura máxima de 225 mm e mínima de 185 mm.
Permitida a utilização de pneus importados do tipo “DRAG DOT RADIAL”, respeitada a medida máxima acima citada.
O tamanho dos aros utilizados no eixo dianteiro deve ser o mesmo utilizado no eixo traseiro.
Os pneus não podem exceder o limite externo dos pára-lamas.
Os pneus devem estar em bom estado de conservação e ter no mínimo 2 mm (dois milímetros) de sulco na superfície de contato com o solo medido a partir do TWI.
Permitida a utilização de pneus importados desde que radiais e com classificação DOT.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus “slick” de qualquer tipo, bem como pneus recapados, remoldados ou similares.

5.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio deve ser original, no entanto as canalizações podem ser substituídas por outras de melhor performance.
Fica autorizada a retirada do dispositivo antiblocagem.
Fica ainda autorizada a utilização de freio a disco na traseira nos veículos que não o possuem originalmente.
• Traseiro: O tambor deverá estar presente, sendo permitida a retirada das lonas e seu sistema interno de acionamento. Fica ainda permitida a retirada dos cabos de acionamento do freio de mão, porém será obrigatória a presença da alavanca. Nos casos dos veículos que utilizem sistema de freio a disco, será permitida a retirada das pastilhas e pinças de freio.
• Dianteiro: Obrigatório seu uso, com sistema completo e em perfeito funcionamento.

5.15 - CARROCERIA E CHASSI

Proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo, ficando liberado o recorte ou trabalho da lateral traseira externa, até o limite máximo do inicio da caixa de rodas interna.
Permitido o levantamento do capô dianteiro / traseiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
Fica liberada a construção de uma bolha no capô dianteiro / traseiro, com a finalidade de melhor acomodar os componentes do motor.
São autorizados apenas acessórios que não alterem de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Proibido uso de entradas ou captações de ar de qualquer outro tipo que não as originais.

5.16 - HABITÁCULO

Proibida a retirada de qualquer parte interna do veículo original com exceção dos itens mencionados abaixo.
Fica permitida a retirada do sistema de ar quente e frio dos veículos.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.

5.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria é livre, bem como seus cabos.
Permitido substituir o alternador por um de maior potência,mas nunca desligado.
A bateria deve estar solidamente fixada, podendo ser transferida a sua localização para o porta-malas.

5.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

É livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 3 (três) litros.(captador de óleo)

5.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre.
Permitido alterar a pressão de sobre-alimentação, independente de o sistema ser mecânico ou elétrico.
Bomba e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos e não podem estar localizadas no interior do habitáculo.
O tanque de combustível deve ser original e utilizado como única fonte de combustível do veículo.
Fica liberado o uso de “catch tank”.
Fica definido como “catch tank”, qualquer reservatório adicional, subdivisão ou sistema de contenção feita no tanque.

5.20 - SEGURANÇA

Aconselhado o uso de macacão e sapatilhas, podendo substituir o macacão por blusa de manga e calça comprida e a sapatilha por tênis amarrado.
O cinto de segurança deve ter no mínimo 3 pontos de fixação, devendo ser retrátil.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
É proibido o uso de bancos sem encosto de cabeça.
É permitida a troca dos bancos por bancos de competição.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
É EXPRESSAMENTE PROIBIDO o uso de metanol.

 


6 - Força Livre Tração Dianteira (FLTD)

Subir

6.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupé, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração dianteira, equipados com motores naturalmente aspirados ou superalimentados.

6.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos, em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de 4 (quatro) ou 5 (cinco) cilindros.
Permitido o uso de veículos de 01 (um) ou mais lugares.
A denominação desta categoria será Força Livre Dianteira.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso das letras que identificam a categoria (FLD), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sangüíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

6.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria será o seguinte:
• 800Kg (oitocentos quilos) para veículos turbo, podendo ou não ser superalimentado por óxido nitroso.
• 700Kg (setecentos quilos) para veículos aspirados, podendo ou não ser superalimentados por óxido nitroso.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Liberado o alívio de peso através da substituição de componentes móveis do veículo, por material mais leve.
Em caso de necessidade, o lastro deverá ser solidamente fixado e localizado na parte traseira do veículo, sendo que o mesmo será lacrado quando da vistoria técnica.

6.4 - MOTOR

Liberado o trabalho do bloco original da marca do veículo, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Liberado o uso dos blocos de veículos em produção, fora de linha ou comercializados diretamente pelo fabricante do veículo.
Proibido o uso de blocos de modelos de veículos provenientes de importação independente.

6.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos de velas, limitador de giro, cabos de alta tensão e bobinas são livres.

6.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Permitida a retirada do radiador, bomba d´água ou das mangueiras que os ligam.

6.7 - CABEÇOTE

O cabeçote e livre nacional ou importado.

6.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão é livre
Permitido o uso de carburadores / injeção nacionais ou importados.
O número de carburadores é livre. Sendo permitido ainda, modificar os elementos do carburador ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Nos veículos com injeção eletrônica é livre o número de bicos.
Proibido o uso de injeção mecânica de combustível.
Permitido o uso de super alimentação: óxido nitroso, turbo compressor, blower, supercharger e outros mais que possam surgir.
Permitido somente o uso de combustível líquido, com ou sem o uso de aditivos.

6.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

6.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
A distância ente os eixos de rolagem deve permanecer inalterada (medidas conforme indica o fabricante), ficando vetadas quaisquer alterações que avancem ou recuem ambos os eixos ou para frente ou para trás. A tolerância máxima permitida será de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros) da distância entre eixos indicada pelo fabricante. Essa tolerância será admitida somente com relação ao eixo dianteiro, ficando proibida qualquer alteração para movimentação do eixo traseiro.
Demais alterações são livres.
Fica liberado o uso de “wheelie bars”, desde que o comprimento máximo seja de 1,65m (um metro e sessenta e cinco centímetros) contados a partir da face externa traseira do veículo, até as rodas das barras. A altura mínima das rodas ao chão, com o veículo alinhado e pronto para largar, deverá ser de 5,0 cm (cinco centímetros).
O uso de ajustes pneumáticos, hidráulicos, eletrônicos, etc. que modifiquem a altura das rodas em relação ao solo, é proibido. As rodas não poderão ser feitas de material metálico.

6.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio é livre, mas deve ser obrigatoriamente manual.
Proibido o uso de caixa de câmbio automática, semi-automática ou seqüencial.
O trambulador é livre.
Obrigatória a existência da marcha a ré funcionando normalmente.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou qualquer modificação que transforme o diferencial em autoblocante.

6.12 - EMBREAGEM

Livre.

6.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 13 “e máximo 17”.
Permitido o uso de qualquer tipo de pneus, nacionais ou importados, “slick” de qualquer tipo ou os pneus específicos para competições de arrancada.
Os pneus devem estar em bom estado de conservação.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus recapados, “remold” ou similares.

6.14 - SISTEMA DE FREIO

Livre, desde que funcionando com eficiência nas rodas dianteiras.

6.15 - CARROCERIA E CHASSI

Permitido alterar a carroceria ou chassi / monobloco do veículo, desde que o mesmo não seja completamente descaracterizado, na condição de que o peso mínimo seja respeitado e a segurança do piloto seja preservada.
Liberado o rebaixamento do teto do veículo, porém deve ser observada a distância de 8 cm (oito centímetros) do capacete do piloto até o início de qualquer tubo do santo antônio junto ao teto.
A parede de fogo deve ser mantida de acordo com suas características originais.
O assoalho deve ser mantido original até a coluna “b” do veículo, bem como o túnel.
Liberado o trabalho ou recorte das longarinas dianteiras somente até os pontos de fixação do agregado. O agregado deve ser original e fixado em seus pontos originais.
A lataria das torres dianteiras deve ser mantida.
Liberadas as alterações a partir da coluna “b” no assoalho, nas longarinas e eixo traseiro, desde que sejam mantidas ou confeccionadas as caixas de roda. Estas alterações passarão por rigorosa avaliação técnica.
Proibida a substituição total do chassi / monobloco por estrutura tubular.
Todos os componentes móveis da carroceria podem ser substituídos por material mais leve, porém não podem simplesmente ser retirados.
Veículos que tenham recorte de material do monobloco passarão por uma rigorosa vistoria de segurança, e a aceitação ou não do veículo na competição será a critério exclusivo dos comissários da prova.

6.16 - HABITÁCULO

Permitida a retirada das forrações internas e bancos do veículo, bem como painel e consoles.
O banco do motorista deverá ser substituído por outro de competição conforme item 6.20 (segurança).
Obrigatória a instalação de “gaiola de segurança” conforme item 6.20 (segurança).
O pára-brisa e demais vidros só poderão ser substituídos por “lexan” ou policarbonato, devidamente fixados.
Proibido o uso de acrílico.
Veículos sem vidro ou “lexan” na porta do piloto deverão ter rede de contenção em seu lugar.
Proibido o uso de volante de madeira.

6.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A bateria deve estar solidamente fixada.
A tensão, capacidade e marca da bateria é livre, bem como seus cabos.
Caso a bateria seja deslocada do seu local original, esta deve ser fixada com um assento e cintas metálicas com revestimento isolante.
A bateria deve ser recoberta por uma caixa confeccionada em material isolante caso esteja dentro do habitáculo do veículo.

6.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

É livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2(dois) litros.

6.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre.
O tanque de combustível é livre, mas não pode ser construído com chapas de zinco.
No caso do tanque estar localizado no habitáculo do veículo, bem como bombas de combustível, filtros, dosadores e canalizações, uma parede anti-chama deve ser construída, recobrindo estes componentes, de modo a proteger o piloto de possíveis vazamentos de combustível. O material utilizado na construção deve ser não inflamável.

6.20 - SEGURANÇA

Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição e capacete homologados.
No macacão deverá estar escrito o nome do piloto e o tipo sangüíneo.
Obrigatório o uso de banco de competição homologado, e o uso de cinto de segurança de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação e homologado.
O banco de competição deverá ser fixo, sem regulagens para frente ou para trás.
Obrigatória, para veículos que não o possua originalmente, a fixação de um anel/cabo para reboque na parte dianteira do veículo.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
Deve ser construído um sistema de extinção de incêndio, com acionamento ao alcance do piloto, composto de um extintor de pó químico ou halon com capacidade de 4 kg (quatro quilos), solidamente fixado, e canalizações que dirijam o jato do agente extintor para três pontos: motor, habitáculo e tanque de combustível. Este sistema deve ser composto ainda, de um disparador externo marcado com uma letra “E” vermelha em um círculo branco com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa do veículo.
Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, uma interna e outra externa, à prova de faísca. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo igualmente desligar o motor). Deverá estas chaves ficar claramente indicadas por um símbolo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze centímetros) de base.
Obrigatória a instalação de uma “gaiola de segurança” (Santo Antônio) na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento. Esta gaiola deve ser revestida com espuma antichama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver um furo de 5 mm (cinco milímetros) em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) para conferencia da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio.
Obrigatório o uso de paraquedas para os veículos que obtiverem tempo inferior a 9.200 segundos ao final dos 402 metros.
O uso de capacete aberto é proibido.
Proibido o uso de metanol.


7 - Força Livre Tração Traseira (FLTT)

Subir

7.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupé, sedan e pick-up de 2, 3, 4 ou 5 portas.
Veículos de tração traseira, 4 (quatro) ou 5 (cinco) cilindros equipados com motores naturalmente aspirados ou superalimentados.

7.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de 4 (quatro) ou 5 (cinco) cilindros.
Permitido o uso de veículos de 01 (um) ou mais lugares.
A denominação desta categoria será Força Livre Traseira.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso das letras que identificam a categoria (FLTT), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sangüíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

7.3 - PESO MÍNIMO

• 700 kg (setecentos quilos) para veículos aspirados;
• 800 kg (oitocentos quilos) para veículos turbo.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Liberado o alívio de peso através da retirada de componentes móveis do veículo.
Em caso de necessidade, o lastro deverá ser solidamente fixado, sendo o mesmo lacrado quando da vistoria técnica.

7.4 - MOTOR

Permitida a substituição do motor original por outro de outro fabricante, mas deverá ser nacional.
Fica livre o trabalho do bloco, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Liberado o uso dos blocos de veículos em produção, fora de linha ou comercializados diretamente pelos fabricantes dos veículos.
Proibido o uso de blocos de modelos de veículos provenientes de importação independente.

7.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos de velas, limitador de giro, cabos de alta tensão e bobinas são livres.

7.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Permitida a retirada do radiador, bomba d´água e das mangueiras que os ligam.

7.7 - CABEÇOTE

Livre (nacional ou importado).

7.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão é livre.
Permitido o uso de carburadores / injeção nacionais ou importados.
O número de carburadores é livre. Sendo permitido ainda, modificar os elementos do mesmo ou dos dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Nos veículos com injeção eletrônica é livre o número de bicos.
Proibido o uso de injeção mecânica de combustível.
Permitido o uso de super alimentação: óxido nitroso, turbo compressor, blower, supercharger e outros mais que possam surgir.
Permitido somente o uso de combustível líquido, com ou sem o uso de aditivos.

7.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

7.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
À distância entre eixos deve permanecer inalterada (medida conforme indica o fabricante), com uma tolerância de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros).
Obrigatório o uso de “wheelie bars” para veículos com motor traseiro.
As rodas não poderão ser feitas de material metálico.
Demais modificações são livres.

7.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio é livre (nacional ou importado), mas deve ser obrigatoriamente manual.
Proibido o uso de caixa de câmbio automática, semi-automática ou seqüencial.
O trambulador é livre.
Obrigatória a existência da marcha a ré funcionando normalmente.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou qualquer modificação que o transforme em autoblocante.
Os veículos dotados de eixo cardam deverão possuir obrigatoriamente um anel metálico com 3 mm (três milímetros) de espessura, para que impeça o cardam de tocar o solo em caso de quebra.

7.12 - EMBREAGEM

Livre.

7.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 13” e máximo 17”.
Permitido o uso de qualquer tipo de pneus, nacionais ou importados, “slick” de qualquer tipo ou os específicos para competições de arrancada.
Os pneus utilizados devem estar em bom estado de conservação e dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus recapados, remold ou similares.

7.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio é livre, mas deve estar funcionando com eficiência.

7.15 - CARROCERIA E CHASSI

Permitido alterar a carroceria ou chassi / monobloco do veículo, desde que a alteração não descaracterize o veículo, e na condição de que o peso mínimo seja respeitado e a segurança do piloto seja preservada.
Fica proibida a substituição total do chassi / monobloco por estrutura tubular, carenada ou não.
Todos os componentes móveis da carroceria podem ser substituídos por material mais leve, porém não podem simplesmente ser retirados.
Veículos que tenham recorte de material do monobloco passarão por uma rigorosa vistoria de segurança, e a aceitação ou não do veículo na competição será a critério exclusivo dos comissários da prova.

7.16 - HABITÁCULO

Permitida a retirada das forrações internas e bancos do veículo, bem como painel e consoles.
O banco do motorista deverá ser substituído por outro de competição conforme item 7.20 (segurança).
Obrigatória a instalação de uma “gaiola de segurança” conforme item 7.20 (segurança).
Proibido o uso de volante de madeira.
O pára-brisa e demais vidros só poderão ser substituídos por “lexan” ou policarbonato, devidamente fixados.
Veículos sem vidro ou “lexan” na porta do piloto deverão ter rede de contenção em seu lugar.
Proibido o uso de acrílico.

7.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria é livre, bem como seus cabos.
A bateria deve estar solidamente fixada.
Caso a bateria seja deslocada do seu local original, esta deve ser fixada com um assento e cintas metálicas com revestimento isolante.
A bateria deve ser recoberta por uma caixa plástica ou de alumínio caso esteja dentro do habitáculo do veículo.

7.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

É livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2 (dois ) litros.

7.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre.
O tanque de combustível é livre, mas não pode ser construído com chapas de zinco.
No caso do tanque estar localizado no habitáculo do veículo, bem como bombas de combustível, filtros, dosadores e canalizações, uma parede anti-chama deve ser construída, recobrindo estes componentes, de modo a proteger o piloto de possíveis vazamentos de combustível. O material utilizado na construção deve ser não inflamável.

7.20 - SEGURANÇA

Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição e capacete
homologados.
No macacão deverá estar escrito o nome do piloto e o tipo sanguíneo.
Obrigatório o uso de banco de competição homologado e cinto de segurança de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação e homologado.
O banco de competição deverá ser fixo, sem regulagens para frente ou para trás.
Obrigatória, para veículos que não o possua originalmente, a fixação de um anel/cabo para reboque na parte dianteira do veículo.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
Deve ser construído um sistema de extinção de incêndio, com acionamento ao alcance do piloto, composto de um extintor de pó químico ou halon com capacidade de 4 kg (quatro quilos), solidamente fixado, e canalizações que dirijam o jato do agente extintor para três pontos: motor, habitáculo e tanque de combustível. Este sistema deve ser composto ainda, de um disparador externo marcado com uma letra “E” vermelha em um círculo branco com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa do veículo.
Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, uma interna e outra externa, à prova de faísca. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo igualmente desligar o motor). Deverá estas chaves ficar claramente indicadas por um símbolo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze centímetros) de base.
Obrigatória a instalação de uma “gaiola de segurança” na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento. Esta gaiola deve ser revestida com espuma antichama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver um furo de 5 mm (cinco milímetros) em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) para conferencia de espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio.
Obrigatório o uso de paraquedas para os veículos que obtiverem tempo inferior a 9.200 segundos ao final dos 402 metros.
O uso de capacete aberto é proibido.
Proibido o uso de metanol.


8 - Stock (STK)

Subir

8.1 - DEFINIÇÃO

Participam destas categorias veículos nacionais e importados, turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up de 2, 3, 4 ou 5 portas. O piloto deve estar sentado no lado direito ou esquerdo do veículo.

8.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de turismo, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos em 12 (doze) meses consecutivos.
Permitido o uso de veículos de 01 (um) ou mais lugares.
A denominação desta categoria será Stock.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso de letra que identifica a categoria (STK), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sanguíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

8.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para veículos da categoria Stock será o seguinte:
Motores com capacidade volumétrica máxima admitida do bloco até 396 polegadas cúbicas:
. 600 kg (seiscentos quilos), para veículos com motores de 4 (quatro) ou 5 (cinco) cilindros.
. 1000 kg (mil quilos), para veículos com motores de 6 (seis) cilindros.
. 1200 kg (um mil e duzentos quilos), para veículos com motores de 8 (oito) cilindros.

8.4 - MOTOR

É permitida a substituição do motor original por de outro fabricante, podendo ser nacional ou importado.
É permitido o recuo do motor.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor / caixa de cambio / diferencial pode ser alterada.

8.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos livres.

8.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Permitida a retirada do radiador, bomba d´água ou das mangueiras que os ligam.

8.7 - CABEÇOTE

Livre.

8.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão é livre.
Permitido o uso de carburadores / injeção nacionais ou importados.
O número de carburadores é livre. Sendo permitido ainda, modificar os elementos do carburador ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Nos veículos com injeção eletrônica é livre o número de bicos.
Após cada largada é obrigatória a permanência de no mínimo 1 (um) litro de combustível no tanque, que poderá ser solicitado pelos comissários para análise.

8.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

8.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
Proibida a suspensão rígida.
Demais alterações livres.

8.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio é livre.
Permitido o sistema de engate rápido das marchas.
Obrigatória a existência da marcha a ré, e esta deve estar funcionando normalmente.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou qualquer modificação que transforme o diferencial em autoblocante.
Permitido o uso de caixa de câmbio automática, semi-automática ou seqüencial.
Os veículos dotados de eixo cardam deverão possuir obrigatoriamente uma travessa metálica de no mínimo 3 mm (três) milímetros de espessura, para que impeça o cardam de tocar o solo em caso de quebra.

8.12 - EMBREAGEM

Livre.

8.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres.
Permitido o uso de qualquer tipo de pneus, nacional ou importado, “slick” de qualquer tipo ou os pneus específicos para uso em competições.
Os pneus devem estar em bom estado de conservação.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.

8.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio é livre, mas deve estar funcionando com eficiência.

8.15 - CARROCERIA E CHASSI

São permitidas alterações na carroceria ou chassi / monobloco do veículo, desde que as mesmas não alterem as características visuais básicas e que a mesma possua toda a segurança necessária. A carroceria em aço ou fibra, em caso de chassi tubular, deve ser solidamente fixada ao mesmo, bem como mantida a aparência do modelo do veículo.

8.16 - HABITÁCULO

Obrigatório o uso de banco e cinto de competição conforme item 8.20 (segurança).
Obrigatória a instalação de uma “gaiola de segurança” conforme item 8.20 (segurança).
Veículos sem vidro ou “lexan” (policarbonato) na porta do piloto deverão ter rede de contenção em seu lugar.

8.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria é livre, bem como seus cabos.
A bateria deve estar solidamente fixada, e recoberta por uma caixa plástica ou de alumínio caso a mesma esteja dentro do habitáculo do veículo.

8.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

É livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 4 (quatro) litros.

8.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre.

8.20 - SEGURANÇA

Obrigatório o uso de macacão, sapatilhas, luvas de competição e capacete homologados.
No macacão deverá estar escrito o nome do piloto e o tipo sanguíneo.
Obrigatório uso de banco de competição homologado e de cinto de segurança homologado de no mínimo 4 (quatro) pontos de fixação.
O banco de competição deverá ser fixo, sem regulagens para frente ou para trás.
Obrigatória, para veículos que não o possua originalmente, a fixação de um anel/cabo para reboque na parte dianteira do veículo.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
Deve ser construído um sistema de extinção de incêndio, com acionamento ao alcance do piloto, composto de um extintor de pó químico ou halon com capacidade de 4 kg (quatro quilos), solidamente fixado, e canalizações que dirijam o jato do agente extintor para três pontos: motor, habitáculo e tanque de combustível. Este sistema deve ser composto ainda, de um disparador externo marcado com uma letra “E” vermelha em um círculo branco com borda vermelha, com diâmetro mínimo de 10 cm (dez centímetros) na parte interna e externa do veículo.
Obrigatório o uso de duas chaves gerais de corte, uma interna e outra externa, à prova de faísca. Estas chaves devem possibilitar o desligamento de todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc., devendo igualmente desligar o motor). Deverá estas chaves ficar claramente indicadas por um símbolo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul com bordas brancas de no mínimo 12 cm (doze centímetros) de base.
Obrigatório o uso de cinta de proteção na capa seca do câmbio, confeccionada em chapa de aço de no mínimo 5 mm (cinco milímetros) de espessura por 7 cm (sete centímetros) de largura. Estão liberados desta exigência os câmbios com homologação “SFI” (ex. marca Lenço).
Obrigatória a instalação de uma “gaiola de segurança” na parte interna do veículo, de modo a evitar uma deformação mais séria do habitáculo em caso de acidente ou capotamento. Esta gaiola deve ser revestida com espuma anti-chama nos pontos onde é possível o contato com o corpo do piloto. Nesta gaiola de segurança deve haver em cada cano de 38 mm (trinta e oito milímetros) um furo de 5 mm (cinco milímetros) para conferência da espessura mínima de 2 mm (dois milímetros) para aço carbono e 1,2 mm (um vírgula dois milímetros) para cromo molibdênio.
O uso de capacete aberto é proibido.
Proibido o uso de metanol.


9 - Categoria Importado - IMP

Subir

9.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos importados, turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up de 2, 3, 4 ou 5 portas.

9.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de turismo, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos em 12 (doze) meses consecutivos.
Permitido o uso de veículos de 01 (um) ou mais lugares.
A denominação desta categoria será Import.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso de letras que identificam a categoria (IMP), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sangüíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

9.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria será:
• 820Kg (oitocentos e vinte quilos) para carros 4 (quatro) cilindros.
• 1070Kg (um mil e setenta quilos) para carros 6 (seis) cilindros.
• 1480Kg (um mil quatrocentos e oitenta quilos) para carros 8 cilindros.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Não é liberado o alívio de peso, ou retirada de componentes móveis do veículo.

9.4 - MOTOR

Não é permitida a substituição do motor original por outro de outro fabricante.
É permitida a substituição do bloco do motor por outro de reposição para o original, desde que sejam mantidas as características originais, dimensão, capacidade cúbica, fixação, utilização de componentes, bem como quanto ao material empregado em sua fabricação.
Não é permitido o recuo do motor.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor/caixa de cambio/diferencial não pode ser alterada.

9.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipos livres.

9.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d´água ou das mangueiras que os ligam.

9.7 - CABEÇOTE

Livre.

9.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão é livre.
Permitido o uso de carburadores/injeção nacionais ou importados.
O número de carburadores é livre. Sendo permitido ainda, modificar os elementos do carburador ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Nos veículos com injeção eletrônica é livre o número de bicos.
Permitido o uso de super alimentação: óxido nitroso.
Permitido o uso de turbo compressor, blower, supercharger e outros mais que possam surgir.
Permitido somente o uso de combustível líquido, com ou sem o uso de aditivos.

9.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

9.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
Demais alterações são livres.

9.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio é livre.
Permitido o sistema de engate rápido das marchas.
Obrigatória a existência da marcha a ré, e esta deve estar funcionando normalmente.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou qualquer modificação que transforme o diferencial em autoblocante.
Permitido o uso de caixa de câmbio automática, semi-automática ou seqüencial.
Os veículos dotados de eixo cardam deverão possuir obrigatoriamente um anel de segurança que impeça o cardam de tocar o solo em caso de quebra.

9.12 - EMBREAGEM

Livre.

9.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres.
Permitido o uso de qualquer tipo de pneus, nacional ou importado, “slick” de qualquer tipo ou os pneus específicos para competições de Arrancada.
A medida máxima a ser utilizada nos pneus é de 12” (doze polegadas).
Os pneus não podem exceder o limite externo dos pára-lamas.
Proibida qualquer alteração nas caixas de roda ou pára-lamas traseiros.
Os pneus utilizados devem estar em bom estado de conservação e dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus recapados, remold ou similares.

9.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio é livre, mas deve estar funcionando com eficiência.

9.15 - CARROCERIA E CHASSI

Proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo.
Permitido o levantamento do capô dianteiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
São autorizados apenas acessórios que não alterem de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Fica liberado a construção de uma bolha no capô dianteiro, com a finalidade de melhor acomodar os componentes do motor.

9.16 - HABITÁCULO

Proibida a retirada de qualquer parte interna do veículo original com exceção do item mencionado abaixo.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Proibido o uso de volante de madeira.
Os bancos dianteiros podem ser substituídos por outros de competição, porém para o do motorista deve ser observado o disposto no item 9.20 (segurança).

9.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A capacidade e marca da bateria é livre, bem como seus cabos.
A bateria deve estar solidamente fixada.
A bateria pode ser deslocada do seu local original.
Caso a bateria seja deslocada do seu local original, esta deve ser fixada com um assento e cintas metálicas com revestimento isolante.
A bateria deve ser recoberta por uma caixa plástica ou de alumínio caso esteja dentro do habitáculo do veículo.

9.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

É livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 3 (três) litros.

9.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

O percurso da linha de combustível é livre. Bomba e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos, não podendo passar pelo interior do veiculo.
O tanque de combustível pode ser substituído por outro tanque, obedecendo às normas de segurança.
As bombas de combustível e canalizações não podem estar localizadas dentro do habitáculo.

9.20 - SEGURANÇA

Aconselhado o uso de macacão e sapatilhas, podendo substituir o macacão por blusa de manga e calça comprida e a sapatilha por tênis amarrado.
O cinto de segurança deve ter no mínimo 3 pontos de fixação, devendo ser retrátil.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
É proibido o uso de bancos sem encosto de cabeça.
É permitida a troca dos bancos por bancos de competição.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
É EXPRESSAMENTE PROIBIDO o uso de metanol.


10 - Standard (ST)

Subir

10.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração dianteira equipados com motores naturalmente aspirados carburados e injetados.

10.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos, em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de no máximo 5 (cinco) cilindros carburados e injetados.
Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares.
A denominação desta categoria será Standard.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso de letras que identificam a categoria (ST), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sanguíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

10.3 - PESO MÍNIMO

O peso mínimo para carros desta categoria será o seguinte:
• 890 kg (oitocentos e noventa quilos) para veículos equipados com cabeçote de 8 (oito) válvulas.
• 970 kg (novecentos e setenta quilos) para veículos equipados com cabeçote de 16 (dezesseis) válvulas.
• 1070 kg (um mil e setenta quilos) para veículos equipados com cabeçote de 20 (vinte) válvulas.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Não é permitido qualquer tipo de alívio de peso através da retirada de partes e itens originais de fábrica.
Permitida a retirada do macaco, estepe, chave de roda e triângulo de segurança.
No gol furgão é permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho.
Qualquer tipo de lastro que se faça necessário para atingir os pesos mínimos só será permitido quando estes estiverem solidamente fixados ao veículo, e ainda devem passar por vistoria pela Comissão Técnica

10.4 - MOTOR

O motor deverá manter suas características originais de fábrica com relação ao ângulo e posição de montagem do conjunto: motor, caixa de câmbio e diferencial.
O material de construção dos suportes do motor é livre, porém os pontos de fixação devem permanecer originais.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não pode ser alterada.
Liberado o trabalho do bloco original da marca do veículo, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Liberado o uso dos blocos de veículos em produção, fora de linha ou comercializados diretamente pelo fabricante do veículo.
Proibido o uso de blocos de modelos de veículos provenientes de importação independente.

10.5- SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipo de velas, limitador de giro e cabos de alta tensão são livres.
O número de velas não poderá ser alterado.
O número de bobinas é livre, bem como seu tipo e marca.
A caixa de ignição (módulo) é livre no seu tipo e marca.

10.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d’água ou das mangueiras que os ligam.
Proibida a mudança do local de fixação dos itens mencionados acima.

10.7 - CABEÇOTE

O cabeçote deve ser obrigatoriamente o original fornecido pelo fabricante do veículo, sendo permitido o seu trabalho.
Permitida a substituição do comando de válvulas original.
O uso de cabeçotes de 16 (dezesseis) válvulas é permitido desde que este seja fornecido pelo mesmo fabricante do veículo, de acordo com o item 10.3.
O uso de cabeçotes de 20 (vinte) válvulas é permitido desde que este seja fornecido pelo mesmo fabricante do veículo, de acordo com o item 10.3.
Liberado o uso de cabeçotes com fluxo cruzado.

10.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão de combustível é original, podendo ser trabalhado.
O uso de injeção eletrônica e permitido, sistema original.
Permitido o uso de carburador ou injeção que seja original do carro, sendo permitido ainda, modificar os elementos do mesmo ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Não e permitido o uso de carburadores importados do tipo Weber 40, Delorto e outros de competição.
Fica proibido qualquer tipo de dispositivo de superalimentação (oxido nitroso, turbo compressor, blower, superchargers e outros mais que possam surgir).
Permitido somente o uso de combustível liquido, com ou sem o uso de aditivos.

10.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

10.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
A distância entre os eixos de rolagem deve permanecer inalterada (medidas conforme indica o fabricante), ficando vetadas quaisquer alterações que avancem ou recuem ambos os eixos ou para frente ou para trás. A tolerância máxima permitida será de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros) da distância entre eixos indicada pelo fabricante. Essa tolerância será admitida somente com relação ao eixo dianteiro, ficando proibida qualquer alteração para movimentação do eixo traseiro.
Permitido alterar a altura dos amortecedores e a colocação de calços.
Permitido o uso de suspensão regulável (rosca).
Fica liberado o material das buchas, desde que não se altere o ponto de sua fixação.
Todos os componentes da suspensão devem estar presentes nos seus lugares originais.
O comprimento de molas é livre, assim como o número de espiras e diâmetro do fio.
Fica permitido o uso de barras anti-afastamento, porém as mesmas devem ser fixadas nos pontos originais de suspensão.
Permitido o uso de barras de travamento fixadas entre as torres da suspensão dianteira e junto ao agregado dianteiro.
Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação sejam conservados.
Fica liberado o retrabalho dos batentes superiores dos amortecedores dianteiros e/ou traseiros, podendo os mesmos serem substituídos por alumínio ou aço.
Ficam proibidos recortes, retirada ou acréscimo de material ou quaisquer soldas, que não as originais, nas torres e pontos de fixação superior ou inferior da suspensão.
Proibido o uso de “camber plate”.
As formas de assentamento de molas para suspensão “McPherson” são livres.
Demais alterações não são permitidas.

10.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio e o diferencial devem ser nacionais, podendo ser trabalhados, porém de acionamento manual, ficando proibido o uso de caixa semi - automática, automática ou seqüencial, exceto quando a automática for original de fabrica.
Obrigatório o uso das engrenagens de marcha à ré e esta deve estar funcionando normalmente, devendo ainda ser acionada através da alavanca de engate das marchas.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou similares.
Proibido o uso de engrenagens de dente reto.

10.12 - EMBREAGEM

Livre.

10.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 13“ e máximo 17”.
Os pneus deverão obrigatoriamente possuir classificação DOT com medidas de largura máxima de 215 mm e mínima de 185 mm.
O tamanho dos aros utilizados no eixo dianteiro deve ser o mesmo utilizado no eixo traseiro.
Os pneus não podem exceder o limite externo dos pára-lamas.
Os pneus podem ser nacionais ou importados, estar em bom estado de conservação com no mínimo 2 mm (dois milímetros) de sulco na superfície de contato com o solo, medidos sobre o TWI.
Os pneus deverão ser radiais, ficando proibido o uso de especificações do tipo MT, MH, ET-Drag, Hossier, Hankook, Advan, Toyo R888 e outros mais tidos como pneus especiais.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus “slick” de qualquer tipo, bem como pneus recapados, remoldados ou similares.

10.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio deve ser original, no entanto as canalizações podem ser substituídas por outras de melhor performance.
Todos os componentes devem estar presentes no veículo.
Fica autorizada a retirada do dispositivo antiblocagem.
Fica ainda autorizada a utilização de freio a disco na traseira nos veículos que não o possuem originalmente.

10.15 - CARROCERIA E CHASSI

É proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo.
São autorizados apenas acessórios que não alterem ou favoreçam de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Permitido o levantamento do capô dianteiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Permitido o trabalho da borda do pára-lama dianteiro, até a altura do vinco central, mantendo as características originais, sem acréscimo ou retirada de material.

10.16 - HABITÁCULO

Proibida a retirada de qualquer parte interna original do veículo com exceção dos itens permitidos.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes. Permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho do gol furgão.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Proibido o uso de volante de madeira.

10.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria são livres, bem como seus cabos, devendo estar solidamente fixada em seu local original.
A localização do sistema deve ser original, podendo apenas ser substituído o alternador por um de maior potência, mas nunca desligado.

10.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

O sistema de lubrificação é livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2 (dois) litros (captador de óleo).

10.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

É proibida a passagem do percurso da linha de combustível pelo interior do veículo.
Permitido o uso de somente 1 (um) dosador.
Permitido o uso de até 3 (três) bombas de combustível similares à bomba de gol GTI.
Proibido o uso de bombas de combustível importadas.
É permitido alterar a pressão de sobre-alimentação, independente do sistema ser mecânico ou elétrico.
Bomba e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos e não podem estar localizados no interior do habitáculo.
O tanque de combustível deve ser original e utilizado como única fonte de alimentação do veículo.
Permitido o uso de “catch tank”.
Fica definido como “catch tank”, qualquer reservatório adicional, subdivisão ou sistema de contenção feita no tanque.

10.20 - SEGURANÇA

Aconselhado o uso de macacão e sapatilhas, podendo substituir o macacão por blusa de manga e calça comprida e a sapatilha por tênis amarrado.
O cinto de segurança deve ter no mínimo 3 pontos de fixação, devendo ser retrátil.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
É proibido o uso de bancos sem encosto de cabeça.
É permitida a troca dos bancos por bancos de competição.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
É EXPRESSAMENTE PROIBIDO o uso de metanol.


11 - Categoria Mil Turbo (MT)

Subir

11.1 - DEFINIÇÃO

Participam desta categoria veículos originalmente equipados com motores 1.0 litros (1000 cc), de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração dianteira ou traseira equipados com motores sobrealimentados (turbo, blower, superchargers e outros que vierem a surgir), carburados e injetados.

11.2 - HOMOLOGAÇÃO

Veículos de fabricação nacional, com produção mínima de 1000 (mil) exemplares idênticos, em 12 (doze) meses consecutivos, equipados originalmente com motores de no máximo 4 (quatro) cilindros carburados e injetados.
Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares.
A denominação desta categoria será MT.
O veículo competidor deve ser identificado com números, em cor contrastante ao fundo em que for aplicado, em ambas as laterais e nos vidros dianteiro e traseiro. O número deverá ser formado por algarismos com dimensões de no mínimo 10 cm (dez centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada um.
Também será obrigatório o uso de letras que identificam a categoria (MT), com dimensões de no mínimo 7 cm (sete centímetros) de altura e 2 cm (dois centímetros) de traço cada uma.
Será obrigatória também a inscrição do nome e do tipo sanguíneo do piloto nas portas dianteiras.
Fica proibida a identificação do veículo com polidores de sapato tipo “nugget” e fitas adesivas tipo crepe, isolante ou similares.

11.3 - PESO MÍNIMO

O peso devera ser original de fabrica.
O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, com todo seu equipamento a bordo.
Não é permitido qualquer tipo de alívio de peso através da retirada de partes e itens originais de fábrica.
Permitida a retirada do macaco, estepe, chave de roda e triângulo de segurança.
No gol furgão é permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho.

11.4 - MOTOR

O motor deverá manter suas características originais de fábrica com relação ao ângulo e posição de montagem do conjunto: motor, caixa de câmbio e diferencial.
O material de construção dos suportes do motor é livre, porém os pontos de fixação devem permanecer originais.
A ordem de montagem de fábrica do conjunto motor, caixa de cambio e diferencial não pode ser alterada.
Liberado o trabalho do bloco original da marca do veículo, permitindo-se o aumento do volume do mesmo.
Liberado o uso dos blocos de veículos em produção, fora de linha ou comercializados diretamente pelo fabricante do veículo.
Proibido o uso de blocos de modelos de veículos provenientes de importação independente.

11.5 - SISTEMA DE IGNIÇÃO

Marca e tipo de velas, limitador de giro e cabos de alta tensão são livres.
O número de velas não poderá ser alterado.
O número de bobinas é livre, bem como seu tipo e marca.
A caixa de ignição (módulo) é livre no seu tipo e marca.

11.6 - SISTEMA DE ARREFECIMENTO

Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres.
Proibida a retirada do radiador, bomba d’água ou das mangueiras que os ligam.
Proibida a mudança do local de fixação dos itens mencionados acima.

11.7 - CABEÇOTE

O cabeçote deve ser obrigatoriamente o original fornecido pelo fabricante do veículo, sendo permitido o seu trabalho.
Não e permitida  a substituição do comando de válvulas original.
O uso de cabeçotes de 16 (dezesseis) válvulas é permitido desde que este seja original de fabrica do modelo do veículo.
Liberado o uso de cabeçote de fluxo cruzado.

11.8 - ALIMENTAÇÃO

O coletor de admissão de combustível é original, podendo ser trabalhado.
O uso de injeção eletrônica e permitido, sistema original.
Permitido o uso de carburador ou injeção que seja original do carro, sendo permitido ainda, modificar os elementos do mesmo ou dispositivos de injeção que regulam a quantidade de ar/combustível.
Não e permitido o uso de carburadores importados do  tipo Weber 40, Delorto e outros de competição.
Fica proibido o uso de oxido nitroso, nitrometano, e outros similares.
Permitido somente o uso de combustível liquido, com ou sem o uso de aditivos.
Proibido o uso de bico suplementar.

11.9 - ESCAPAMENTO

Livre.

11.10 - SUSPENSÃO

Os veículos deverão ter um espaço livre mínimo de 3” (três polegadas) de altura, a contar do ponto mais extremo da dianteira até 12” (doze polegadas) após o centro do eixo dianteiro.
A distância entre os eixos de rolagem deve permanecer inalterada (medidas conforme indica o fabricante), ficando vetadas quaisquer alterações que avancem ou recuem ambos os eixos ou para frente ou para trás. A tolerância máxima permitida será de 2,5 cm (dois vírgula cinco centímetros) da distância entre eixos indicada pelo fabricante. Essa tolerância será admitida somente com relação ao eixo dianteiro, ficando proibida qualquer alteração para movimentação do eixo traseiro.
Permitido alterar a altura dos amortecedores e a colocação de calços.
Permitido o uso de suspensão regulável (rosca).
Fica liberado o material das buchas, desde que não se altere o ponto de sua fixação.
Todos os componentes da suspensão devem estar presentes nos seus lugares originais.
O comprimento de molas é livre, assim como o número de espiras e diâmetro do fio.
Fica permitido o uso de barras anti-afastamento, porém as mesmas devem ser fixadas nos pontos originais de suspensão.
Permitido o uso de barras de travamento fixadas entre as torres da suspensão dianteira e junto ao agregado dianteiro.
Os amortecedores são livres, contanto que seu número, tipo (telescópico, braço, etc.) e pontos de fixação sejam conservados.
Fica liberado o retrabalho dos batentes superiores dos amortecedores dianteiros e/ou traseiros, podendo os mesmos serem substituídos por alumínio ou aço.
Ficam proibidos recortes, retirada ou acréscimo de material ou quaisquer soldas, que não as originais, nas torres e pontos de fixação superior ou inferior da suspensão.
Proibido o uso de “camber plate”.
As formas de assentamento de molas para suspensão “McPherson” são livres.
Demais alterações não são permitidas.

11.11 - TRANSMISSÃO

A caixa de câmbio e o diferencial devem ser nacionais, podendo ser trabalhados, porém de acionamento manual, ficando proibido o uso de caixa semi - automática, automática ou seqüencial, exceto quando a automática for original de fabrica.
Obrigatório o uso das engrenagens de marcha à ré e esta deve estar funcionando normalmente, devendo ainda ser acionada através da alavanca de engate das marchas.
Permitido o uso de diferencial autoblocante ou similares.
Proibido o uso de engrenagens de dente reto.

11.12 - EMBREAGEM

Livre.

11.13 - RODAS E PNEUS

As rodas são livres, respeitando o diâmetro mínimo de 13“ e máximo 17”.
Os pneus deverão obrigatoriamente possuir classificação DOT com medidas de largura máxima de 215 mm e mínima de 185 mm.
O tamanho dos aros utilizados no eixo dianteiro deve ser o mesmo utilizado no eixo traseiro.
Os pneus não podem exceder o limite externo dos pára-lamas.
Os pneus podem ser nacionais ou importados, estar em bom estado de conservação com no mínimo 2 mm (dois milímetros) de sulco na superfície de contato com o solo, medidos sobre o TWI.
Os pneus deverão ser radiais, ficando proibido o uso de especificações do tipo MT, MH, ET-Drag, Hossier, Hankook, Advan, Toyo R888 e outros mais tidos como pneus especiais.
Os pneus utilizados devem estar dimensionados para o peso do veículo e para a velocidade alcançada.
Proibido o uso de pneus “slick” de qualquer tipo, bem como pneus recapados, remoldados ou similares.

11.14 - SISTEMA DE FREIO

O sistema de freio deve ser original, no entanto as canalizações podem ser substituídas por outras de melhor performance.
Todos os componentes devem estar presentes no veículo.
Fica autorizada a retirada do dispositivo antiblocagem.
Fica ainda autorizada a utilização de freio a disco na traseira nos veículos que não o possuem originalmente.

11.15 - CARROCERIA E CHASSI

É proibida qualquer alteração na carroceria ou chassi / monobloco do veículo.
São autorizados apenas acessórios que não alterem ou favoreçam de qualquer forma o rendimento mecânico ou aerodinâmico do veículo.
Permitido o levantamento do capô dianteiro, na sua parte traseira, em no máximo 10 cm (dez centímetros), medidos das extremidades em relação aos pára-lamas.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Permitido o trabalho da borda do pára-lama dianteiro, até a altura do vinco central, mantendo as características originais, sem acréscimo ou retirada de material.

11.16 - HABITÁCULO

Proibida a retirada de qualquer parte interna original do veículo com exceção dos itens permitidos.
Permitido remover a prateleira traseira de veículos dois volumes. Permitida a retirada da grade divisória do habitáculo e da tampa de madeira do assoalho do gol furgão.
Todos os componentes que equipam o modelo básico da linha devem estar presentes, os itens tidos como opcionais podem ser substituídos pelos itens básicos.
Proibido o uso de volante de madeira.

11.17 - SISTEMA ELÉTRICO

A tensão, capacidade e marca da bateria são livres, bem como seus cabos, devendo estar solidamente fixada em seu local original.
A localização do sistema deve ser original, podendo apenas ser substituído o alternador por um de maior potência, mas nunca desligado.

11.18 - SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

O sistema de lubrificação é livre.
Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios com capacidade mínima total de 2 (dois) litros (captador de óleo).

11.19 - CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL

É proibida a passagem do percurso da linha de combustível pelo interior do veículo.
Permitido o uso de somente 1 (um) dosador.
Permitido o uso de até 3 (três) bombas de combustível similares à bomba de gol GTI.
Proibido o uso de bombas de combustível importadas.
É permitido alterar a pressão de sobre-alimentação, independente do sistema ser mecânico ou elétrico.
Bomba e filtros de combustível devem estar devidamente protegidos e não podem estar localizados no interior do habitáculo.
O tanque de combustível deve ser original e utilizado como única fonte de alimentação do veículo.
Permitido o uso de “catch tank”.
Fica definido como “catch tank”, qualquer reservatório adicional, subdivisão ou sistema de contenção feita no tanque.

11.20 - SEGURANÇA

Aconselhado o uso de macacão e sapatilhas, podendo substituir o macacão por blusa de manga e calça comprida e a sapatilha por tênis amarrado.
O cinto de segurança deve ter no mínimo 3 pontos de fixação, devendo ser retrátil.
É obrigatório o uso de extintor de incêndio carregado e dentro do prazo de validade, em seu local original ou fixado ao alcance do piloto.
É obrigatório o uso de capacete fechado.
É proibido o uso de bancos sem encosto de cabeça.
É permitida a troca dos bancos por bancos de competição.
As portas dianteiras do veículo deverão abrir facilmente através de seus trincos externos ou travas rápidas.
É obrigatório para os veículos que não o possuam originalmente, a fixação de um anel / cabo de aço, para reboque na parte dianteira do veículo.
É EXPRESSAMENTE PROIBIDO o uso de metanol.

 
1° Encontro de Veículos Antigos de Santa Maria de Jetibá PDF Imprimir E-mail
Galeria - Antigos
Nos dias 2 e 3 de maio foi realizado o 1° Encontro de Veículos Antigos de Santa Maria de Jetibá organizado pela Diewagen com a participação especial do CLAVA - Clube dos Admiradores de Veículos Antigos. O evento teve uma programação bem variada, desde a avaliação e premiação para os veículos presentes até um tour pela cidade, comidas e danças típicas pomeranas, além de area reservada para crianças e baile para os mais agitados. Nosso amigo Fernando (Baboo) compareceu no evento e registrou tudo, confira!
Leia mais...
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 Próximo > Fim >>

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

Carros da Galera


qadq.jpg
advogato.jpg
Confira as fotos desse Astra 16v do nosso amigo Advogato.
ferrari.jpg
Veja as fotos dessa bela Ferrari F355 amarela.
scort_tomate.jpg
Fotos do Escort do nosso amigo Daniel Tomate
baboo.jpg
Primeiro ensaio do belo Escort XR3 Cabriolet do grande Baboo!

Ultimas Galerias


qadq.jpg
Confira as fotos desse raríssimo Polo GTi
1o_trackday_bkr_2012.jpg
Com iniciativa da equipe do Autódromo Geraldo Backer, foi realizado o 1º TrackDay BKR de 2013. O evento foi de grande importância, pois foi uma
subaru_wrx_christian.jpg
De volta com os ensaios, o CarroEsporte trouxe dessa vez o belo Subaru WRX 2009 com apenas 15 mil km rodados pertencente ao usuário Christian. O
19_festival_arrancada.jpg
Veja a primeira parte das fotos do 19º Festival de Arrancada de Curitiba, realizado do dia 7 a 9 de dezembro. Em breve mais
27o_encontro_interclubes.jpg
No dia 24 de novembro rolou o 27º Encontro Interclubes, no Horto Mercado. Vários clubes compareceram e deram apoio ao evento, em especial o GM